segunda-feira, 8 de abril de 2013



Silêncio,
Silêncio e mais silêncio...
As palavras foram-se,
Os gestos esmorecem.
De que me vale o lamento,
Se te não vejo,
Se te não tenho,
Se te não sinto?
Que vida é esta,
Tão ingrata,
Que te condenou,
Que me arrastou,
Que o sonho matou?
Que futuro é este,
Sem brilho,
Sem luz,
Sem esperança?
Queria ter de volta
O teu olhar,
O teu abraço,
O teu regaço
P'ra descansar...


2 comentários:

Papoila - BF disse...

Sempre lindo o teu sentir. Beijo

Ana Tapadas disse...

Ingrata sim, minha amiga e muito injusta, mas o teu poema é lindo.

Beijinho