sábado, 12 de abril de 2008

Ventos de Abril...

( Óleo sobre tela )

E era Abril sereno,
Com as cores amenas,
As chuvas suaves,
Os ventos tranquilos.
Mas, rasgando as entranhas,
Sentimos tão forte
Aquela rajada,
Aquela tormenta,
Prenúncio de morte.
O riso findou,
O Sol estremeceu,
As cores desmaiaram,
Tudo se perdeu.