domingo, 19 de março de 2017

A mágoa, a ferida, o coração despedaçado,
Sem forças, sem vontade, sem futuro,
É o que vejo no meu rosto estilhaçado,
Que caminha, decadente, para o escuro.

A vida, não sei que é, nem vou saber...
Eu fui sendo levada pelo tempo
E agora, que me resta senão ser
Um caminhante arrastado pelo vento?

Ninguém ouse dizer que me entreguei,
Que fui insana, fútil ou indolente!
Eu apenas obedeço à estranha lei
Que me faz servir a muita gente...



Sem comentários: